Crítica | Joy: O Nome do Sucesso (Joy)

David O. Russell se tornou um dos diretores mais prestigiados pelos críticos nos últimos anos, seus três últimos filmes O Vencedor (2010), O Lado Bom da Vida (2012) e Trapaça (2013) renderam a Russel indicações na categoria de melhor diretor no Oscar, além de indicações a melhor roteiro nos últimos dois filmes. Se já não bastasse todos esses feitos Russel ainda conseguiu a façanha de fazer os atores de seus filmes serem premiados, como aconteceu com Christian Bale e Melissa Leo no Oscar de 2011 e com Jennifer Lawrence no Oscar de 2013. Em seu novo projeto Russel traz de volta seu trio de atores favoritos, que participaram de seus últimos três filmes, Jennifer LawrenceBradley CooperRobert De Niro, porém mesmo com o elenco de peso a sensação que se tem depois de assitir Joy: O Nome do Sucesso é de que o filme poderia ter rendido muito mais.

O filme conta a história da criativa Joy Mangano (Jennifer Lawrence), uma mãe solteira que cria um um esfregão feito com um tecido propício para ser torcido, sem que a pessoa precise molhar as mãos.

O grande destaque do longa é, sem dúvida nenhuma, Jennifer Lawrence que com uma ótima atuação consegue levar grande parte do filme nas costas. As indicações de Jennifer as grandes premiações por seu trabalho no filme são justíssimas, apesar de terem sido bastante contestadas.

Bradley Cooper, que interpreta um executivo da TV especializado em vendas de produtos, e Edgar Ramírez, que interpreta o ex-marido de Joy, também entregam boas performances, apesar do mau desenvolvimento de seus personagens.

O roteiro é o grande problema do filme, já que ele falha em aspectos cruciais como desenvolver os personagens, que, com exceção da protagonista, são todos mal desenvolvidos, assim como a relação de Joy com o resto dos personagens que também é mal trabalhada. Além disso, o roteiro também peca ao retratar de maneira bastante superficial algumas situações interessantes que acabam ocorrendo na vida da protagonista.

A trilha sonora do filme é extremamente inconveniente, é raro encontrar um momento no longa em que ela consiga ser bem utilizada. 

Joy: O Nome do Sucesso só não é um filme ruim devido a grande performance de sua protagonista e a boa atuação de alguns coadjuvantes, já que o roteiro do longa é fraquíssimo e os aspectos técnicos deixam muito a desejar.

NOTA: 7,0

Anúncios

Um comentário em “Crítica | Joy: O Nome do Sucesso (Joy)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s